REPRESENTATIVIDADE DE MULHERES NEGRAS E INDÍGENAS NO UNIVERSO DA INOVAÇÃO


Os dados apontam para ausência de diversidade nas áreas de TI


print da capa do levantamento

Realizado através do projeto Pretalab, uma iniciativa da organização Olabi, o levantamento com 570 mulheres negras e indígenas de 25 estados brasileiros e o Distrito Federal identificou relações de opressão de raça interseccionado com gênero e geração: ausência de espaços de formação, de incentivos a participação dessas mulheres nas tecnologias de informação e de representatividade.


De acordo com os dados coletados, grande parte das entrevistadas teve o primeiro contato com a tecnologia por meios informais, 52% entre mulheres negras e 62% mulheres indígenas. Quanto a intersecção com a questão geracional, os dados indicam que 62% das jovens tiveram o primeiro contato com a área de tecnologia e inovação de maneira informal. “As jovens aparecem em menor proporção quando o contato com a área de tecnologia foi por centros de educação formal ou pelo mercado de trabalho, mas são maioria absoluta entre as que se referiram aos meios de contato informais”.


O levantamento traz ainda o campo de atuação daquelas que trabalham com tecnologia, sendo, 11,8% em comunicação e 10,5 em Empreendedorismo digital, seguido de ativismo com 9,2% entre as mulheres negras e indígenas. Nesse quesito, as áreas das Engenharias, Ciências Exatas e do Desenvolvimento de Hardware continuam sendo minoria.


Ademais, os dados apontam percentuais das subáreas específicas, aderência entre áreas de envolvimento com a tecnologia, bem como, questões acerca do aprendizado com professores/tutores homens, o interesse por desenvolver projetos em alguma área da tecnologia, conhecimento sobre outros projetos que trabalham com mulheres negras e/ou indígenas e tecnologia.


Acesse os dados em https://uploads-ssl.webflow.com/5b05e2e1bfcfaa4f92e2ac3a/5b3681cfaf96768cd48a257b_PretaLab_Levantamento_18.06.28.pdf


PretaLab https://www.pretalab.com/

Olabi https://www.olabi.org.br/

18 visualizações
  • Blogger ícone social

O Blog CiberFeminismo é um ciberespaço para debater sobre as implicações teóricas, práticas e políticas acerca do ciberfeminismo a fim da transformação social, em especial da destruição do patriarcado e todas as suas ramificações opressoras e excludentes.

Tem pesquisado este tema? Envie sua produção. Critique, sugira, opine. Vamos superar por incorporação! 

  • issu

O E-book Ciberfeminismo no Brasil: ativismo no ciberespaço traz um exame acerca do uso das Tecnologias de Informação e Comunicação, especialmente a Internet, feito por ciberfeministas brasileiras no século XXI.

Da primeira e segunda onda ciberfeminista ao estudo de caso da rede brasileira Universidade Livre Feminista, apresentamos o processo histórico de surgimento do ciberfeminismo no mundo e seus avanços no Brasil, um mapeamento destas experiências, assim como, a experiência brasileira na conjuntura dos ciberfeminismos, reconhecendo as especificidades históricas do país.

Autora | Leidiane de Farias

Capa | Doris Rabelo

Prefácio |  Julianin Santos

PARA ESTUDOS

Feminismo

Tecnologia

Feminismo

Classe

Feminismo

Raça

Feminismo

Geração

Feminismo

História

© 2018 por ciberfeminismo. Criado com Wix.com.

  • Twitter - Círculo Branco
  • Facebook - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle

SIGA

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now